Curiosidades

Como fazer uma cisterna caseira e poupar água, passo a passo

Como fazer uma cisterna caseira e poupar água, passo a passo

Um sistema simples para reaproveitar e começar a usar de forma mais inteligente a água

Construindo uma Cisterna

Essa é uma Mini-Cisterna que o Leonardo usa nos cursos que ele ministra. Assim fica mais fácil entender o que estamos construindo em pequena escala.

Materiais

 

Aqui vai a lista completa:

  • Uma bombona para armazenar a água – usamos uma de 220 litros, mas você pode usar uma maior ou menor dependendo do tamanho do seu espaço.
  • Tela ondulada 5×5
  • Enforca gato
  • Furadeira
  • Serra copo para furadeira
  • Canos
  • Joelhos
  • Um conector T para canos
  • Cola para canos
  • Lixa para canos
  • 1 torneira para a cisterna
  • 1 registro de esfera

Valor médio com os materiais: R$ 550.

A quantidade de canos e joelhos vai variar com a disposição que a sua cisterna vai ficar. No nosso caso, como ela ficou no andar de cima e a torneira no andar de baixo, precisamos fazer muito mais conexões que o usual.

O diâmetro das tubulações também é influenciado pela área de captação, no caso, usamos tubulações de 75mm ou 3 polegadas.

Antes de comprar todo o material, faça um ensaio das posições dos canos, pois dessa forma evita-se que sejam colados de forma errada, desperdiçando-os.

A cisterna é composta por 3 partes: filtro de descarte inicial, reservatório e o ladrão, além do consumo.

Abaixo detalhamos parte por parte o que você precisa para montar cada um.

1. Tubo de descarte

A primeira água da chuva vem cheia de resíduos do telhado, para evitar que ela entre e contamine a água armazenada, a descartaremos por meio de um tubo pré-cisterna.

Para termos água limpa no nosso reservatório, começamos todo o sistema com um filtro que evitará que sujeira como folhas entrem.

Pra isso, cortamos o tubo em diagonal e fizemos dois furos para amarrar a tela com enforca gato.

Tubo cortado na diagonal

Furando nas laterais para colocar os enforca gato

Conecte esse pedaço a um T, pois precisamos de uma saída para a área de descarte e outra para o reservatório.

Sempre que encaixar um cano no outro, lixe primeiro e depois passe a cola apropriada.

Para saber qual o lado que fica pra cima do cano preste atenção na “bolsa” na hora de comprar. Essa bolsa é como se fosse um funil para o próximo cano. Isso faz com que a água não passe pelas emendas, evitando vazamentos.

Indica-se para o tamanho do tubo de descarte, 1L para cada m2 do telhado.

No final do cano de descarte faremos um registro para poder escorrer essa água descartada.

Faça um furo com “serra copos” na base que fecharia o cano.

Encaixe a flange no buraco.

Coloque o anel de vedação.

Dica: passe óleo/vaselina para colocar o anel, ajuda bastante

Encaixe um joelho na flange para que seu registro não fique torto.E, por último, o registro.

No nosso caso, tivemos que fazer um caminho maior para a água excedente poder ser descartada. No final, ela ficou assim:

2. Ladrão

Essa parte é simples, apenas conectamos os canos com o fundo vazado para escorrer a água excedente do reservatório.

Coloque uma tela na ponta desse cano, para evitar a entrada de insetos – principalmente do mosquito da dengue – dentro do reservatório de água. Certifique-se de colocar na porção mais alta possível do reservatório, para aproveitar ao máximo o volume disponível.

Tela anti-intrusos

3. Reservatório e captação

O cano que ficará dentro do reservatório deve formar um “U”, para diminuir a força da água que entrará.

Nosso esquema reduzido: estamos falando do final, na ponta inferior à direita

Na base desse “U” faremos um sifão, um pequeno furo para evitar que água fique acumulada.

Terminada a fase de lego com os canos, começamos a fazer os furos no barril. Um para entrada d’água, outro para o ladrão e um para a torneira de consumo.

Dica: Para medir os furos, utilize um resto de tubo e marque com uma caneta.

Usando o tubo como decalque para a marcação do furo com a caneta

No nosso barril o fura copos não dava conta, então fizemos vários mini-furos ao longo da marcação com a caneta e depois tiramos a rodela.

Furos terminados, encaixamos os respectivos canos.

https://assets.papodehomem.com.br/2015/05/30/04/37/28/400/cisterna_tratadas02.jpg

Vamos ficar com três furos:

Furo de entrada: ficou bem na tampa para aproveitar a gravidade e evitar que a água fique acumulada no cano.

Furo do ladrão: na parte superior do barril, mas não na tampa, justamente pra não transbordar.

Furo de consumo: onde encaixamos a torneira, fica na parte de baixo também por causa da gravidade que nos ajuda a poder consumir o máximo possível.

https://assets.papodehomem.com.br/2015/05/30/04/37/47/528/IMG_0086.jpg

Agora a cisterna está pronta! É só esperar São Pedro fazer o seu trabalho e a chuva cair.

* * *

·         Rodrigo Cambiaghi

 

matematicando
Eliane Lima, formada em Matemática pela UFPR
http://gehost.com.br

Deixe uma resposta